Ciclic
calculadora-juros

O que é cálculo de juros? Saiba como tirar proveito deles

Entenda como o cálculo de juros pode ser utilizado por você para aumentar a sua renda de forma mais rápida

Juros e cálculo de juros. A maioria das pessoas quando ouve essas palavras sente até calafrios. Infelizmente, isso acontece porque muitos associam o termo ao pagamento de taxas “extras” quando compram um produto.

De fato, se você está comprando alguma coisa, quanto mais baixos forem os juros provavelmente melhor será a oportunidade que você tem em sua frente – se for realmente uma oportunidade, claro, pois o melhor é juntar para pagar a vista, sem juros.

Contudo, juros não devem ser, de forma alguma, sinônimo de algo ruim. Muito pelo contrário. Quando os juros estão trabalhando a seu favor é que acontece um dos maiores milagres da economia: os chamados juros compostos.

Eles são os principais responsáveis por aumentar o seu patrimônio e fazer com que você chegue mais rápido nos seus objetivos.

Mas você já parou para pensar em como funcionam os juros e de que maneira eles podem significar uma ferramenta fundamental na sua vida? Nesse artigo vamos explicar de uma forma bem simples como você pode coloca-los para trabalhar para você enquanto aproveita a vida.

Como funcionam os juros

Para que você possa entender de uma maneira bem simples, os juros são o preço que você paga por usar alguma coisa que não é sua por um prazo determinado de tempo.

Vamos simplificar ainda mais: pense no aluguel que você paga para morar em um apartamento. O valor que você paga todos os meses é uma compensação ao proprietário do imóvel pelo fato de você usar uma propriedade dele, correto?

Quando você vai fazer uma compra em uma loja e escolhe pagar parcelado o que você está fazendo nada mais é do que “alugar” dinheiro para fazer essa compra à vista. Sim, naquele momento, por exemplo, você não tem os R$ 5 mil para comprar uma TV, mas a loja vende o produto mesmo assim.

>>Você também pode gostar de ler: como guardar dinheiro e ter bons resultados <<

Em troca, pelo fato de você pagar em longo prazo – vamos supor que em 12 parcelas – ela cobra um valor por esse “empréstimo” feito no momento da compra. A esse mecanismo damos o nome de juros e o percentual pode variar em razão de uma série de fatores, como o valor, o tempo e o risco.

Colocando os juros para trabalharem a seu favor

De uma maneira simples você já deve ter entendido como funcionam os juros. Eles são como um aluguel que você paga pelo uso de um dinheiro que não é seu. Mas e como fazer esse mecanismo trabalhar em seu favor? A resposta para essa pergunta pode ser resumida em duas palavras: poupando e investindo.

Poupar é o primeiro passo para que você comece a trilhar o caminho da realização dos seus sonhos. São os valores que você guarda todos os meses que vão compor a maior parte do seu patrimônio. Você precisa de um sólido planejamento financeiro para gastar menos do que você ganha.

Quando você cria hábitos para guardar dinheiro ele pode virar um meio de empréstimo para os bancos e para o governo. E é exatamente assim que você poderá fazer os juros trabalharem a seu favor. Quando você compra, por exemplo, títulos do Tesouro é como se você estivesse emprestando o seu dinheiro para o governo. Por esse empréstimo você receberá um “aluguel”, os chamados juros.

guardando-dinheiro-juros-a-favor

 

Por que os juros são tão importantes?

Você deve ter compreendido que guardando um pouco de dinheiro todos os meses ao final de um determinado período você poderá realizar o seu sonho. Porém, os juros entram em cena como um elemento que pode acelerar e muito esse processo. É como se o seu dinheiro começasse a trabalhar para gerar mais dinheiro. É a maneira como funcionam os juros.

Vamos a um exemplo prático para que você possa compreender melhor o cálculo dos juros. Se você guardar R$ 1 mil todo mês, durante 12 meses, ao final de um ano terá R$ 12 mil. Porém, vamos imaginar que você vai escolher alguma alternativa de investimento –.

Nesse caso, será preciso observar qual é a taxa de juros mensal que a aplicação paga. Pense nessa taxa como se fosse o valor do “aluguel”, tudo bem? Vamos supor que a taxa de rendimento seja de 1% ao mês. Portanto, ao final do primeiro mês você terá R$ 1 mil, mais 1%. Ou seja: R$ 1.010.

No segundo mês você deposita mais R$ 1 mil, mas agora o seu rendimento após 30 dias é sobre R$ 2.010. Nesse caso, some mais R$ 21 à sua conta. Ou seja, chegamos aos R$ 2.031. Você entendeu a lógica, certo? A cada mês os juros incidem também sobre os juros dos meses anteriores: são os chamados juros compostos.

Bom, vamos ver como fica a conta do nosso investimento ao final de 12 meses. Somando os depósitos de R$ 1 mil todos os meses e os juros de 1%, quando completar um ano você terá acumulado R$ 12.809, 32. Ou seja, R$ 809,32 entraram na sua conta única e exclusivamente a título de “aluguel” pelo empréstimo do seu dinheiro.

A ideia é que o investimento sirva como uma forma de encurtar o caminho e permita com que você chegue mais rápido ao sonho que deseja alcançar.

Os investimentos podem representar ainda uma segurança para quando você quiser parar de trabalhar. Afinal, seria excelente alcançar um patrimônio que consiga render mensalmente o que você precisa para viver e assim ter liberdade de se dedicar para outros projetos, não acha?

Deixe seu melhor e-mail para receber nossos conteúdos