Por que temos vergonha de falar sobre dinheiro?

Por Marketing Ciclic0

Tabu está relacionado à falta de conhecimento e informação sobre o assunto. Veja como virar o jogo e não ter medo de falar sobre as finanças!

Dinheiro. Todo mundo precisa dele para viver e alcançar objetivos, mas nem todos se sentem confortáveis para tocar no assunto em uma roda de amigos ou mesmo com a própria família. Por que será que isso acontece?

Pesquisas indicam que as questões financeiras assombram os brasileiros desde muito cedo. Foi isso o que apontou um levantamento da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

No Brasil, segundo a instituição, 53% dos estudantes de 15 anos não dominam os mais básicos conhecimentos sobre o assunto, como a compreensão de uma simples fatura ou a comparação de preços para tomar uma decisão de compra.

De acordo com a OCDE, essa falta de conhecimento impacta diretamente – e de maneira muito negativa – a forma como a população lida com o dinheiro no dia a dia. Ou seja, quando há falta de informação e educação financeira, as pessoas ficam mais vulneráveis a viverem endividadas, sem conseguir poupar para imprevistos ou para o futuro.

Em novembro de 2017 foram registrados cerca de 61 milhões de brasileiros endividados, o que representa quase um terço da população. Segundo a Serasa Experian, autora da pesquisa, esse é um nível recorde: trata-se do maior contingente já registrado no país. Em outras palavras, o Brasil nunca teve tantas pessoas com as contas em atraso. Como consequência, há pouca gente que consegue poupar.

>> Jovem de 27 anos economiza 60% do salário para viajar e já conhece 15 países << 

Um estudo do Banco Mundial, por exemplo, mostrou que apenas 4% da população guarda alguma quantia para a aposentadoria.  Diante desse cenário, fica fácil entender por que as finanças pessoais não figuram entre os temas preferidos das pessoas.

Para muitas famílias, a falta de dinheiro está ligada a sentimentos negativos, como sofrimento, angústia e impotência, o que pode, inclusive, afetar a saúde.  "Geralmente, transtornos ansiosos e de depressão têm sua origem na preocupação com o status financeiro", explica a psicóloga Ellen Moraes Senra, especialista em terapia cognitivo comportamental. Como tudo isso gera incômodo, boa parte das pessoas prefere não tocar no assunto.

Por outro lado, não é apenas a falta de dinheiro que inibe as conversas e a troca de informação sobre o tema. Há quem se esforce, poupe e consiga guardar uma quantia razoável – mas então surge a insegurança sobre o que fazer com o dinheiro, que costuma vir acompanhada da vergonha de não saber onde investir.

 

Vamos falar sobre finanças pessoais?

As finanças pessoais não precisam ser um pesadelo. Com organização e planejamento é possível virar o jogo, ficar no azul, fazer o dinheiro render e sonhar com o futuro. Para isso, é preciso encarar a situação de frente e falar sobre o assunto com a família. Uma conversa franca e aberta é sempre a melhor escolha.

Seu parceiro e seus filhos precisam estar cientes da condição econômica do lar: quanto dinheiro há disponível por mês, quanto é possível gastar e o que será preciso cortar. Ao colocar um objetivo a ser alcançado em conjunto, todos podem sonhar juntos e dar força uns aos outros. 

"É preciso mudar a mentalidade sobre finanças pessoais. Quando formamos uma família, o dinheiro passa a não ser mais 'meu' ou 'dele'. Se faltar para as despesas básicas, todas as partes irão sofrer", explica a psicóloga Ellen Moraes Senra.

 

Consumo em excesso contribui para acúmulo de dívidas

 A profissional também lembra que há quem use o consumismo como fuga emocional, daí surgem as compras compulsivas, fazendo com que a pessoa fique cada vez mais endividada. “Nesse ponto, já se nota um transtorno que necessita de tratamento psicológico, comportamental e, também, de educação financeira", afirma ela.

Então, você já sabe: faça as contas, planeje os gastos, corte custos desnecessários e, acima de tudo, converse sempre com a sua família para que, juntos, vocês possam conquistar o que sempre desejaram.

 Quer uma ajuda para realizar seu sonho? Conheça as opções de investimentos da Ciclic e comece hoje mesmo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

veja também outros posts de Finanças pessoais

Vai investir dinheiro pela primeira vez? Confira os primeiros passos!
Finanças pessoais / 1 de novembro de 2018
Vai investir dinheiro pela primeira vez? Confira os primeiros passos!
Sobrou uma grana para investir. Ótimo, parabéns! Só que… você nunca investiu e não faz ideia de como funciona o universo dos investimentos. “Preciso...
Não tenha mais dúvida sobre como fazer para sobrar dinheiro no fim do mês!
Finanças pessoais / 1 de novembro de 2018
Não tenha mais dúvida sobre como fazer para sobrar dinheiro no fim do mês!
Seria sensacional se todos conseguissem sobrar dinheiro no fim do mês. Isso não é fácil, sabemos disso! Encarar essa missão é um desafio para...
Como juntar dinheiro? R$ 200 ao mês por 10 anos = R$ 24 mil para gastar!
Finanças pessoais / 29 de outubro de 2018
Como juntar dinheiro? R$ 200 ao mês por 10 anos = R$ 24 mil para gastar!
Você consegue guardar duas notas de cem reais mensalmente pelos próximos 120 meses? Imagina se tivesse começado a fazer isso em 2008… Quem era...

Veja algumas idéias do que você pode conquistar